História

José Lana Raposo e seu cunhado, João Batista da Cruz, iniciaram suas atividades agrícolas em 1983, aproveitando as condições amplamente favoráveis do município de Serra do Salitre para o cultivo do café. A partir do ano de 2012, com o falecimento de João Batista da Cruz, sua esposa Hilda Maria Lana da Cruz, assume os negócios ao lado do irmão José Lana Raposo. Hoje, com mais de 30 anos de experiência na cafeicultura, suas propriedades contam com o que há de mais moderno na produção de cafés de alta qualidade. Desde o plantio até a entrega dos cafés beneficiados, são empregadas as mais altas tecnologias nos processos de produção, no bem estar dos funcionários e no trato com o meu ambiente.

A espécie utilizada é a arábica, com áreas descontínuas em torno de 140 hectares, situadas em altitudes de 1000 a 1240m acima do nível do mar.

Em processo de contínuo melhoramento, além da qualidade do produto e da responsabilidade social com os empregados, é dada ênfase especial ao meio ambiente, com práticas conservacionistas e com plantio sistemático de variedades da flora nativa, desenvolvidas em viveiro próprio.

Origem

cerrado

A cafeicultura do Cerrado mineiro já é conhecida mundialmente pela qualidade de seus cafés, desejados pelos grandes mercados consumidores de todo o mundo. É a primeira região do Brasil com “Denominação Geográfica de Origem”. São cafés com identidade e características únicas, resultantes da combinação do clima, solo, relevo e da atitude de sua gente, de amor e dedicação à terra. Dentro dessa região, podemos destacar o município de Serra do Salitre, com altitude privilegiada e temperaturas amenas, que produz um “terroir único”. Seus cafés tem uma bebida suave e adocicada sendo ao mesmo tempo encorpados e com retrogosto prolongado. Os cafés do município são agraciados nos mais diversos concursos de qualidade Brasil e do mundo.

Empresas como a multinacional Nespresso têm em Serra do Salitre um de seus grandes redutos para produção de cafés de alta qualidade.

Inserida em um dos pontos mais altos do município, há 1.240 metros de altitude, a Fazenda Sílvia Amélia vem se especializando na produção de cafés finos.

Através da Cooxupé, maior cooperativa de café do mundo, com sede na cidade, a Fazenda fornece seus cafés a exigentes empresas do setor, tais como Nespresso e Starbucks.

Para atender o crescente desejo de consumidores de todo o mundo por cafés de alto padrão, a Fazenda Sílvia Amélia, através da marca “Offerenda” pretende oferecer o que há de melhor em suas propriedades aos apreciadores de cafés especiais.